sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

~~ºº~~ SEXO SELVAGEM ~~--~~


Longos dias sem nos falarmos, vermos, tocarmos...
E tu,

Louco,

Carente,
Felino enjaulado,
Chegas,
Ligas-me e nada…
O telefone não era atendido,
A portaria estava vazia,
E tu sobes…
Sobes até ao último andar,
Como se fosse o mais longo percurso da tua vida,
Batida insistente,
Mal abro a porta,
Entras apressado,
Trôpego,
E excitado,
Puxas-me,
E me beijas…
Beijas meus lábios,
Pescoço,
E nuca,
Mal olhas em meus olhos…
Minha camisola de alças é arrancada,
Minhas calcinhas pretas são rasgadas,
Ajoelhado perante mim,
Cheiras meu sexo,
Sinto teu perfume inebriante
E provo teu sexo húmido
Todo o néctar necessário,
Sussurros,
Gemidos,
Gritos...
Gozas em minha boca,
Cais sobre mim,
Insaciável…
Selvagem…
Dominador…
Abro minhas pernas,
E me invades…
Vagarosamente,
Nossas respirações
Viram refrões,
Nossos gemidos,
São coros.
E como um só,
Explodimos em sexo selvagem…


1 comentário:

Filipe disse...

Alguns sonhos não se realizam.
Ficam no peito.
Sustentam a alma
Preservam o que não foi
Eternos.
(um seu admirador)